Pinheiro-de-casquinha [Pinus sylvestris L.]

Pinheiro-de-casquinha [Pinus sylvestris L.]2017-09-13T17:53:53+00:00

Project Description

Árvore perenifólia e resinosa, de copa cuja forma varia com a idade, passando do piramidal com ramificação desde a base até a uma copa rasa e apenas ramificada na parte final do tronco, o Pinheiro-silvestre pode ultrapassar os 200 anos de longevidade e alcançar cerca de 40 metros de altura.

Com a mais ampla distribuição mundial do seu género, o Pinheiro-silvestre é natural da Ásia e das regiões do Norte e Centro da Europa. Sendo frequentemente cultivado na região mediterrânica, em Portugal surge em povoamentos florestais, em jardins e parques públicos de zonas de maior altitude, estando apenas considerado como espontâneo na Serra do Gerês. É uma espécie pioneira e que se adapta a habitats com características ecológicas bastante diferenciadas. A sua grande tolerância aos ventos e o seu rápido crescimento conjugado com a pouca exigência quanto ao tipo de solo, fazem do Pinheiro-silvestre uma espécie frequentemente usada para a criação de barreiras de vento, para fixação de terrenos desagregados ou sujeitos a erosão e como elementos de estabilização e proteção em locais de avalanche. Apresenta alguma tolerância à poluição atmosférica e à exposição marítima.

O Pinheiro-silvestre apresenta um tronco ereto, com uma casca pouco espessa, castanha-escura e fendida na base e de cor vermelho-alaranjado nos ramos superiores onde se desprende em placas finas. As folhas, rígidas e em forma de agulha, surgem agrupadas em pares e exibem um tom glauco. As flores masculinas apresentam uma cor amarela, enquanto que as femininas são de um tom avermelhado.  As pinhas, de forma ovoide ou cónica e cor castanha-amarelada, são caducas. As sementes, pequenas e oblongas, são aladas. O período de floração dá-se no mês de Março.

As substâncias extraídas das folhas, sementes, casca e resina podem ser usadas em inalações, banhos e pomadas, pois apresentam ação anti-reumática, balsâmica, diurética rubefaciente e vermífuga. Sendo, no entanto, a ação anti-séptica e a ação ao nível do aparelho respiratório as mais valorizadas pela medicina tradicional e moderna.

Na sua casca, folhas, pinhas, resina e madeira todos os povos encontraram aplicações quotidianas. Da casca interna, moída e muitas vezes misturada com aveia, confecionou-se pão e fabricaram-se fibras que se transformaram em cordas. Das suas folhas, extraiu-se corante de tonalidade verde, fabricaram-se herbicidas naturais, retiraram-se fibras para acondicionamento em embalagens e enchimento de almofadas e colchões e extraem-se, ainda, óleos essenciais usados na indústria farmacêutica e perfumaria. Das pinhas obteve-se um corante de tom amarelo-avermelhado. Da sua resina obtém-se terebentina, usada como solvente no fabrico de tintas, vernizes e ceras e em produtos impermeabilizantes e conservantes para madeiras. Da sua madeira, de boa qualidade, com poucos nós e dureza média, obteve-se matéria prima para construção, marcenaria e carpintaria. Os seus troncos e ramos deram corpo a mastros de embarcações, postes de eletricidade, travessas para linhas férreas e esteios para vedações. Foi também uma importante fonte de combustível, pelo que a sua população entrou em declínio. É, ainda nos dias de hoje, uma das principais espécies usadas como “árvore de Natal”, sobretudo nos Estado Unidos da América, e ocupa um lugar de destaque no comércio de madeiras nos países  nórdicos.

Ao longo dos séculos, o Pinheiro-silvestre, viu a sua existência envolta em mitos, lendas e folclore. Nas celebrações do solstício de inverno, os Druidas ateavam os seus troncos em grandes fogueiras, marcando a passagem das estações e evocando de volta o Sol e adornavam os seus ramos com objetos brilhantes, tradição que se crê estar na origem das “árvores de Natal”. As suas pinhas foram usadas, por gregos e romanos, como símbolo de fertilidade e gravadas em amuletos. Pela sua longevidade e folhagem persistente, foi também considerado símbolo de imortalidade e usado em celebrações em honra das divindades greco-romanas. Na Sibéria, junto ao lago Baical, o povo mongol considerou-o sagrado e as suas florestas deviam ser veneradas e percorridas em silêncio, como sinal de respeito aos deuses e espíritos da madeira.

Pela sua aparência diferenciada, o Pinheiro-silvestre foi frequentemente usado como marco paisagístico. Nas Terras Altas, na Escócia, ele era usado para marcar os locais de enterro de guerreiros e chefes. Foi também usado, por escoceses e ingleses, para marcar caminhos, estradas e cruzamentos e para indicar e delimitar terrenos de pasto e pernoita para rebanhos e pastores.

Árvore nacional da Escócia, o Pinheiro-silvestre é o emblema adotado por vários clãs estando também profundamente ligado à toponímia deste país.

Texto: Mariana Santos | Foto: Marta Pinto

Bibliografia: 

CASTROVIEJO, S. et al. (1986-2009) – Flora Ibérica – Plantas Vasculares de la Península Ibérica e Islas Baleares. Vol XXVIII. Real Jardín Botánico, C.S.I.C., Madrid. EPPINGER, M.; LANG, A. (2007) – Árvores e Arbustos – Guia claro e simples para a sua identificação. Everest Editora, SA. FRANCO, J.A., Afonso, M.L.R. (1982) – Distribuição de Pteridófitos e Gimnospérmicas em Portugal. Serviço Nacional de Parques, Reservas e Património Paisagístico. Lisboa HARDING, P.; TOMBLIN, G. (1998) – How to identify trees. Harper Collins Publishers. London. HUMPHRIES, C.J.; PRESS, J.R.; SUTTON, D.A. (2005) – Árvores de Portugal e da Europa (2ª Edição). FAPAS, Fundo Para a Protecção dos Animais Selvagens e Planeta das Árvores. JOHNSON, O. (2006) – Collins Tree Guide. Harper Collins Publishers. London. PODLECH, D. (1996) – Herbs and  Healing Plants of Britain & Europe. Harper Collins Publishers . PRESS, B.; HOSKING, D. (1992) – Trees of Britain and Europe. New Holland Publishers (UK) Ltd. London RICCI, M. (ed). (1997) – Conhecer as árvores, Manual ilustrado. Girassol Edições, Lda. SILVA, J.S. (ed). (2007) – Árvores e Florestas de Portugal (Vol. 9). Público, Comunicação Social, SA e Fundação Luso-Americana. Lisboa. FLORA DIGITAL DE PORTUGAL DO JARDIM BOTÂNICO DA UTAD (http://www.jb.utad.pt/pt/herbario/cons_reg.asp). FLORESTAR (http://www.florestar.net/floresta.html). PLANT BIOGRAPHIES (http://www.plantlives.com/index.html) PLANTS FOR A FUTURE (http://newpfaf.webhost4life.com/user/plantsearch.aspx). THE HAZEL TREE (https://the-hazel-tree.com/2014/02/12/the-scots-pine-keeper-of-the-forest/).

Características

  • Altura : Pode atingir cerca de 40 m.

  • Fruto : Pinhas castanho-amareladas, com pequenas sementes (pinhões) aladas.

  • Habitat : Pouco exigente quanto ao substrato, adapta-se a diferentes tipos de habitat.

A carregar entidades...